Araucária, 25 de dezembro de 2011

NOTÍCIAS

Desvendando o projeto escola sem partido

"Escola sem partido" tem-se caracterizado como uma verdadeira histeria coletiva, adentrando câmaras de vereadores e secretarias de educação, propagando uma cultura de intolerância, perseguição e ódio

"Escola sem partido" é um projeto ideológico que visa obter o controle político total sobre o conteúdo dos currículos e da prática docente em todo país. Em completo descumprimento à Lei de Diretrizes e Bases (LDB, lei n° 9394/96), visa criar um inimigo nacional no ambiente escolar, onde não existe. 

O projeto não diz respeito à não partidarização das escolas, mas sim à retirada do pensamento crítico, da problematização e da possibilidade de se democratizar a escola, esse espaço de partilhas e aprendizados ainda tão fechado, que precisa de abertura e diálogo.

No projeto escola sem partido é passada a noção de que o professor não é um educador, separando assim o ato de ensinar (passar conteúdos) e educar. O/A professor/a deveria estar ali apenas para passar conteúdo sem crítica, sem problematização ou contextualização, como um ato mecânico.

Ao negar a função política e social da escola – de combater as desigualdades sociais e educacionais –, atribui uma nova função para a escola, a de incutir uma cultura de perseguição política e desmoralização do trabalho docente dos professores, que já sofrem a desvalorização da carreira e enfrentam a precarização das condições de trabalho.

Ao relativizar, atacar e subverter a transmissão dos saberes (conhecimentos) sistematizados e acumulados historicamente pela humanidade na escola, abrem espaço para a criação de uma cultura de ódio à produção do saber científico, de que alunos e pais têm o poder de "vigiar e punir" professores no exercício da função, e de que a propagação do senso comum e dos "achismos" agora teria ganhado o patamar de ciência.

"Escola sem partido" tem-se caracterizado como uma verdadeira histeria coletiva, adentrando câmaras de vereadores e secretarias de educação, propagando uma cultura de intolerância, perseguição e ódio contra aqueles que se sacrificam diariamente e dedicam suas vidas ao ato de educar e transmitir os conhecimentos tão necessários para o processo de humanização dos seres humanos.