Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Araucária.

Search
Close this search box.

A violência policial, que vitimiza principalmente os jovens negros e periféricos, é um problema social histórico do Brasil. Embora o problema não seja novo, o tema vem chamando a atenção nas últimas semanas pelas chacinas cometidas pelo braço armado do Estado em diversas cidades e capitais do país.

Num dos episódios mais recentes, ocorrido em 07 de agosto, um menino de apenas 13 anos foi morto com vários tiros em uma ação da Polícia Militar do Rio de Janeiro (PM-RJ). Já o estado da Bahia, registrou mais de 19 vítimas da brutalidade policial em apenas quatro dias no início deste mês.

A situação se repete em todas as regiões do Brasil e, por isso, é fundamental que a sociedade seja sensibilizada e mobilizada para os debates e discussões acerca da violência policial e qual tem sido a atuação do Estado nesse sentido, principalmente dentro das favelas e periferias.

Ato e rodas de conversa sobre racismo e brutalidade policial

Para denunciar a violência racista das polícias contra a juventude negra, será realizado um ato nesta quinta-feira (24), com concentração às 18h, na Praça Santos Andrade, no centro de Curitiba (PR). O SISMMAR apoia o ato e convida todas, todos e todes para participar dessa importante luta pelo direito de viver!

violência policial
Arte: Rede Nenhuma Vida a Menos

Já no sábado (26), a Rede Nenhuma Vida a Menos – Curitiba e Região promove o 1º Encontro de Enfrentamento à Violência Policial do Paraná, com 03 mesas de debates, das 09h às 17h, no Anfiteatro 100 da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR) – Rua General Carneiro, 460.

O tema do encontro será “Quem nos cuida da polícia?” e as mesas de discussões vão abordar os seguintes assuntos:

1) Letalidade policial no Paraná: aqui a morte veste farda (10h);

2) A luta histórica contra o genocídio do povo negro: todo camburão tem um pouco de navio negreiro (13h15);

3) Do luto à luta: resistência de familiares como forma de justiça e memória (15h).

Contribua com as ações, mobilizações e reflexões sobre o tema. O envolvimento de toda a sociedade é importantíssimo para que possamos avançar na luta pelo direito à vida da juventude preta e na construção de um outro olhar para as questões referentes à Segurança Pública.

O SISMMAR segue comprometido com a luta antirracista e contra a brutalidade das polícias racistas. Nenhuma vida a menos!

what you need to know

in your inbox every morning