Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Araucária.

Search
Close this search box.

Em assembleia realizada nessa quinta, 13 de setembro, os professores da UFPR, seguindo indicação do Comando Local de Greve (CLG), decidiram suspender a greve a partir do dia 17 de setembro, respeitando o movimento nacional de suspensão unificada na semana de 17 a 21 de setembro.

A categoria, ao optar pela suspensão e não pelo encerramento da greve, demonstra sua insatisfação com o desrespeito do governo às reivindicações de reestruturação da carreira e melhoria das condições de trabalho, reivindicações alicerçadas no princípio de defesa da universidade pública, gratuita e de qualidade.

A maior greve da história da educação federal, em adesão e duração, conseguiu pautar na sociedade brasileira o caráter precarizador do atual modelo de expansão do ensino superior no Brasil, caráter que expressa o descompromisso do governo com a educação pública e, ao mesmo tempo, seu compromisso com o grande capital. Professores, servidores técnico-administrativos e estudantes colocaram-se em movimento nos últimos meses e ganharam a simpatia da população na defesa da educação pública de qualidade.

Foi a força da greve que fez o governo, que inicialmente afirmou que não negociaria com os professores, postergando até o reajuste de 4% do acordo de 2011, investir R$ 4,2 bilhões na carreira docente, embora de forma contrária aos princípios que defendemos para a carreira. De fato, o governo manteve a desestruturação da carreira e não acenou com o atendimento da reivindicação de melhoria das condições de trabalho.

No plano local, a mobilização da categoria garantiu, dentre outras, a conquista do limite máximo de 12hs/aula semanais, o compromisso por parte da administração com um calendário de melhoria da infraestrutura da universidade e, em conjunto com técnicos e estudantes, a publicização dos órgãos colegiados e a posição contrária do Conselho Universitário (Coun) à implantação da Ebserh na UFPR.

Ao suspender a greve, os professores afirmam a necessidade de se manterem alertas e mobilizados para impedirem as tentativas do governo de retirar direitos da categoria. 

Precisamos acompanhar atentamente o trâmite do PL 4368/12, que trata da reestruturação da carreira que o governo encaminhou ao congresso, e pressionar os parlamentares a fazerem alterações no sentido de reduzir as agressões à carreira docente. No mesmo sentido, precisaremos acompanhar atentamente o desenrolar dos Grupos de Trabalho que o governo constituirá com seu braço sindical, e nos quais serão discutidos aspectos como o limite mínimo de 12hs/aula e a definição de parâmetros pelo MEC para promoção na carreira, aspectos que, se aprovados, contribuirão para a intensificação do trabalho docente e para ferir a autonomia universitária. 

Precisaremos, ainda, acompanhar o trâmite do projeto de regulamentação de greve que o governo está desengavetando no Congresso. Se aprovado, se constituirá um ataque perverso à livre organização sindical dos servidores públicos, piorando nossas condições de luta em defesa de nossos direitos e das políticas públicas como educação e saúde.

Assim, a suspensão da greve, ao contrário de diminuir a mobilização, nos coloca o desafio de ampliá-la. Ao menor sinal de ataque em qualquer das frentes acima citadas, precisamos estar preparados para retomar a paralisação nacional rapidamente.

Suspender a Greve e Reforçar a Luta!

Comando Local de Greve 

what you need to know

in your inbox every morning