jornada ampliada

jornada ampliadaNo dia 29 de fevereiro, professores, principalmente da Docência II, que atuarão com a jornada ampliada no contra turno de algumas escolas, participaram de uma formação na escola de Gestão para a apresentação da prosposta da Secretaria de Educação (SMED). Segundo essa proposta, outros profissionais também poderiam se inscrever para atuar nessa modalidade.

A direção do SISMMAR esteve presente e relatou que os profissionais da Docência II não devem se sentir constrangidos, já que no período de remoção precisavam optar por outras atividades, uma vez que a SMED vem diminuindo a oferta de turmas de 6º ao 9º ano. Houve “convites” para a mudança de Secretaria, o que posteriormente causaria a perda de direitos. Foi lembrado sobre o edital do concurso destes profissionais, no qual há o direito de atender a faixa etária do 6º ao 9º ano. A direção sindical segue acompanhando os fatos e permanece na luta junto com os professores.

A jornada ampliada, de acordo com o governo, é em razão do município ter adotado o modelo de Educação Integral. Ainda segundo a gestão, o próximo passo é, progressivamente, ir ampliando a Educação Integral no sistema de Ensino em Araucária. No mês de novembro de 2019, a Secretaria de Educação já havia acompanhado os planos de ação de algumas escolas para que nele constasse o período de contra turno e consequentemente os profissionais da Docência II poderiam se inscrever.

Ainda que profissionais da Docência II tenham se habilitado para essas ofertas, é importante refletir que eles não tinham muitas opções, onde lhes fosse de direito garantido. As vagas eram para atuar no contra turno com atividades como: oficinas ou projetos, e assessoramento pedagógico.

Hoje, o discurso é de que a SMED dará todo auxilio por meio das coordenações dos núcleos de atendimento às escolas, e que esses, estarão embasados na decisão da Secretaria. Junto atuarão professores das áreas de formação para assessorar tais profissionais, tudo isso para garantir mais segurança ao profissional.

No entanto, passado o primeiro mês, a mantenedora não apresentou nenhuma proposta concreta para a atuação dos professores, que seguem sendo atacados após perderem as turmas, além de terem o cargo colocado em extinção.