coluna SISMMAR

coluna SISMMAR

Coluna do SISMMAR publicada na edição desta quinta-feira (06) do jornal O Popular

Desde março, quando o coronavírus foi classificado como pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Araucária (SISMMAR) vem atuando no sentido de proteger os trabalhadores da Covid-19 e de cobrar a gestão Hissam e a Secretaria Municipal de Educação (SMED) em relação à qualidade do ensino com a implementação da educação remota.

No dia 17 de março, somente após pressão dos sindicatos dos servidores de Araucária veio o decreto de suspensão das aulas. Após essa importante vitória para evitar a proliferação do coronavírus e poupar vidas, o SISMMAR esteve na luta pela suspensão do calendário escolar. No entanto, embora os sindicatos tenham pressionado o Conselho Municipal de Educação (CME) e alertado sobre os problemas do ensino a distância para os trabalhadores, estudantes e seus familiares, a entidade aprovou a educação remota no dia 22 de abril.

Com a aprovação do EaD, o sindicato participou de diversas reuniões com a gestão Hissam e a Secretaria Municipal de Educação (SMED) para exigir a publicação de um documento com todos os protocolos necessários para evitar que os trabalhadores fossem infectados pela Covid-19. Isso porque, mesmo com a pandemia, os professores estavam sendo convocados para participar de reuniões presenciais nas unidades.

Em maio, a SMED chegou a publicar um documento que determinava a reabertura das unidades educacionais, das 8h às 17h, em plena pandemia. Somente após a pressão dos servidores a Secretaria de Educação dialogou com os sindicatos e publicou um documento reduzindo a necessidade de abertura, promovendo uma organização que permitisse a não abertura das escolas. Isso permitiu que os professores pudessem continuar trabalhando, preferencialmente, de forma remota.

Em junho, quando o número de infectados e óbitos pela Covid-19 aumentou de forma drástica em Araucária, os sindicatos SISMMAR e SIFAR se uniram na luta para garantir que os servidores trabalhassem exclusivamente de casa, sem participar da entrega/devolução de atividades pedagógicas, até o dia 23 de julho. Essa conquista foi essencial para evitar que os servidores e seus familiares fossem expostos à contaminação.

Além disso, o sindicato continua lutando pela educação de qualidade e pela vida dos servidores da Educação. Enquanto a gestão Hissam continua atacando os direitos dos trabalhadores, negando reajuste de inflação de 2% e propondo projetos de lei que atacam a aposentadoria do funcionalismo, o SISMMAR, em conjunto com os servidores, continua organizando a luta para impedir o desmonte do Fundo de Previdência e a redução salarial em plena pandemia.

É essencial que a população de Araucária tenha conhecimento sobre como atua a gestão Hissam, que utiliza a crise do coronavírus para promover uma série de ataques aos direitos dos servidores e à qualidade da educação do município. Quando o prefeito ataca o funcionalismo, ataca também os serviços que são voltados para a população, como Educação, Saúde e Assistência Social.

Em ano de eleição é fundamental saber quem são os candidatos inimigos dos servidores municipais e que tratam com descaso os servidores e os serviços voltados à população. Inimigo da Educação não merece reeleição!

O SISMMAR segue firme na luta em defesa da vida e por nenhum direito a menos!