“Quando a última árvore tiver caído,

quando o último rio tiver secado,

quando o último peixe for pescado,

vocês vão entender que dinheiro não se come.” (Greenpeace)

O SISMMAR – Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Araucária, vem a público repudiar as políticas ambientais do presidente Jair Bolsonaro que colocaram a Amazônia em chamas.

O agronegócio, com muito incentivo do governo federal, está ateando fogo no maior bioma do mundo. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de 1º de janeiro até o dia 20 de agosto, o índice de focos de incêndio na floresta aumentou 84% quando comparado com o mesmo período em 2018.

É absurdo, cruel e tirânico o que está acontecendo com a Amazônia. Isso graças à ganância do agronegócio e das políticas ambientais de Bolsonaro. Apenas no mês de julho, 2.254,9 km² de floresta foram queimados – e, com isso, em São Paulo “o dia virou noite” e a água da chuva se tornou turva e malcheirosa nesta segunda-feira (19).

O que fez o presidente da República diante da Amazônia em chamas? Culpou as ONGs sem nenhuma prova. Antes disso, demitiu Ricardo Galvão, ex-diretor do Inpe, afirmando que os dados do instituto em relação ao desmatamento nos biomas brasileiros são falsos, mais uma vez sem nenhum embasamento.

A Amazônia sofre há muitas décadas com a ganância do homem, mas agora, mais do que nunca, está sendo devastada de forma muito rápida. Há sete anos não eram registrados tantos focos de incêndio na floresta. As pesquisas do Inpe são respeitadas e são referência em todo o mundo, mas para Bolsonaro os dados não são convenientes.

O “pulmão do mundo” está em chamas porque é do interesse dos grandes empresários ligados ao agronegócio. Eles não estão preocupados com os indígenas, que estão perdendo suas terras, ou com os idosos e crianças de Rondônia, que estão lotando hospitais porque não conseguem respirar em consequência do incêndio na Amazônia. Estão preocupados apenas em continuar ateando fogo na floresta para obter cada vez mais lucro transformando-a em pasto para criar seu gado.

A nossa casa está pegando fogo e o mais grave é que isso está acontecendo com o apoio do presidente da República. Em vez de Bolsonaro incentivar as políticas ambientais que protegem a Amazônia, temos um governo federal que cortou R$ 5,4 milhões do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que seriam destinados à fiscalização e combate a incêndios.

Contra as medidas antiambientais do desgoverno Bolsonaro que estão aniquilando a Amazônia, haverá atos e manifestações em todas as regiões do Brasil hoje (23). Em Curitiba, a manifestação terá concentração às 17h30, na Praça da Mulher Nua (próxima ao Passeio Público, no Centro).

Vista-se de preto, participe e ajude a fazer ecoar mais alto o grito de socorro da Amazônia!

FIRMES!