A CNTE está convocando os trabalhadores da educação do país a participarem da greve nacional pelo cumprimento da Lei do Piso, nos dias 17, 18 e 19 de março.

A paralisação e as datas foram decididas no 32º Congresso da CNTE, ocorrido de 16 a 19 de janeiro, em Brasília (foto). O magistério de Araucária vai debater a proposta e decidir de adere ou não à greve nacional na assembleia marcada para 25 de fevereiro.

Duas questões importantes na lei unem os professores em todo o país. Uma é o cumprimento da hora-atividade de 33% da jornada de trabalho. Outra se refere a um valor maior para o piso nacional, estabelecido em R$ 1.697,39 em 2014, para jornada de 40 horas.

Para a CNTE, o reajuste de 8,32% para o piso ficou aquém do esperado. Dados consolidados do Fundeb até novembro de 2013 apontavam crescimento do valor mínimo de cerca de 15%.

No plano local, os professores reivindicam o pagamento das promoções e progressões na carreira, que estão sendo negadas pela administração municipal.

A categoria também está na expectativa do reajuste de 7% nos salários, que deve ser pago com atraso de oito meses. Este índice se refere à inflação entre junho de 2012 e maio de 2013.