As comunidades das escolas Jardim Fonte Nova e David Carneiro estão indignadas e prometem resistir à estadualização anunciada pela Prefeitura de Araucária. A revolta foi manifestada no final da tarde de 12 de setembro, em reunião com a secretária da Educação Janete Schiontek, na Escola de Gestão.

Estudantes portavam cartazes contestando o repasse do patrimônio municipal ao Estado. Mães e pais fizeram vários questionamentos. Professores contestaram a alegação de que a medida favoreceria a qualidade da educação.

Ficou evidente a falta de confiança da população no governo municipal. A secretária anunciou a construção de novas unidades educacionais, a universalização da Educação Infantil, a oferta do Ensino Médio diurno e fez outras promessas. No entanto, não conseguiu conquistar o apoio de mães, pais, estudantes e professoras/es. O temor da população é de que a administração municipal acomode os estudantes nos espaços que já estão lotados e fique tudo como está. Afinal, tem sido esta a prática vivenciada ao longo dos anos.

Dos 6500 estudantes do 6º ao 9º ano, 1500 vão para o Estado. A medida também afeta  38 professores do 6º ao 9º ano, que serão reamanejados para outras escolas do município.

A prefeitura pretende fazer economia com a diminuição de horas extras e de substituições. Mas com cortes não se promove educação com qualidade. É necessário fazer investimentos. A rede municipal precisa construir novas unidades, melhorar as unidades existentes, implantar a hora-atividade de 1/3 da jornada (cumprindo a Lei Federal 11.738, de 2008) e contratar professores.

Atualizado às 12h57min de 15 de setembro