Decreto de Greca escancara repressão a artistas de rua em Curitiba
Decreto de Greca escancara repressão a artistas de rua em Curitiba
Reprodução: Câmara Municipal de Curitiba

Sem qualquer diálogo com a classe artística ou com os vereadores da Câmara de Curitiba, o Prefeito Rafael Greca (PMN) assinou, em 19 de dezembro de 2018, um decreto que restringe as apresentações de artistas de rua da capital paranaense (dança, teatro, música, estátua viva, artes circenses e demais demonstrações artísticas).

O decreto nº 1422 entrou em vigor na última terça-feira (15) e dispõe de uma série de restrições sobre onde, como e quando os artistas podem se apresentar em logradouros públicos, como o calçadão da XV, Boca Maldita e Trajano Reis, entre outros.

Com essa medida de Greca, quem quiser fazer sua apresentação nas ruas de Curitiba, entre diversas exigências, precisará escolher horários específicos; terá no máximo 2 horas para se apresentar; não poderá fazer apresentações a menos de 10 metros de orelhões, pontos de ônibus e de táxi e cabines telefônicas, além de ter que passar pelo crivo de uma “Comissão de Conciliação”.

Na prática, trata-se da proibição da arte de rua, visto que o decreto arbitrário do Prefeito de Curitiba impõe 11 páginas de repressão à classe artística. Trata-se, mais uma vez, de uma medida autoritária desta gestão marcada pela sua política conservadora e higienista.

É preciso lembrar que há tempos Greca vem reprimindo as manifestações culturais na cidade, tanto por meio de batidas policiais em locais públicos quanto através de apreensões de instrumentos dos artistas de rua, entre outras medidas descabidas. Desde o início da gestão do Prefeito são evidentes os ataques à cultura popular.

Em resposta a mais este ataque de Greca, na terça-feira artistas e apoiadores da arte de rua fizeram um protesto na Rua XV de Novembro. A resistência, afinal, é o único caminho para enfrentar esta gestão autoritária e ultrapassada.

Artistas de rua são trabalhadores e seu sustento provém das apresentações em espaços públicos. Portanto, merecem ser respeitados como tal. É inadmissível o que faz o Prefeito da capital.

FIRMES contra a inibição da cultura popular em Curitiba!