O magistério municipal realizou assembleia na manhã de hoje, 30 de julho, para debater a mobilização da categoria. A plenária ocorreu no salão da igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Araucária.

Por ampla maioria, o professorado decidiu não deliberar pelo movimento grevista neste momento. A categoria preferiu realizar atividades de mobilização no segundo semestre para defender seus direitos, que continuam sendo descumpridos pela administração municipal.

A partir da reunião do Conselho de Representantes, no dia 5 de agosto, já começam as atividades do Calendário de Lutas 2014. Este encontro organizará as ações já deliberadas para agosto.

Vários são os motivos que mantêm o magistério na luta. Alguns professores falaram aos presentes na assembleia denunciando a situação do ensino público municipal.

A carência de professores é enorme, em especial na Docência II. As escolas têm estruturas precárias. O prefeito congelou a carreira da Docência I. A hora-atividade de 33% da jornada é lei desde 2008 e ainda não é cumprida. Dizem que mão há recursos para pagar os direitos de servidores previstos em lei, mas sobra dinheiro para contratar cargos comissionados.

E o pior de tudo é que Olizandro culpa os servidores pelos problemas da sua administração.

Ao final dos trabalhos, a professora Gilziane Queluz informou aos presentes que no dia 22 de agosto ocorrerá assembleia para eleger a comissão eleitoral para as eleições sindicais que serão realizadas em novembro.