Ratinho Jr. greve

Ratinho Jr. greve

Coluna do SISMMAR publicada na edição impressa desta quinta-feira (27) do Jornal O Popular

Em 2018, quando Ratinho Jr. estava às vésperas de sua campanha eleitoral, ele defendeu a reivindicação dos servidores estaduais pelo pagamento da data-base e chegou a liderar um grupo de deputados na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) para cobrar da então governadora, Cida Borghetti, o pagamento da reposição salarial dos trabalhadores.

Posteriormente, quando Ratinho Jr. já estava em campanha eleitoral, prometeu que uma das primeiras medidas de seu governo seria buscar o diálogo com os sindicatos. Além de não ter recebido as entidades sindicais para negociações até hoje, seis meses depois, o atual governador agora mudou o discurso e afirmou que não aceita pressão, não dará o reajuste e “não conversa com grevistas”. Ao fazer essa afirmação, o governador está rasgando a Constituição Federal, que assegura aos trabalhadores o direito à greve como forma de defender seus interesses.

Alinhado à política neoliberal do governo Bolsonaro, Ratinho Jr. tem utilizado o mesmo pretexto do Presidente para o desmonte do funcionalismo público: não há dinheiro para pagar os servidores. Entretanto, os números mostram que esse discurso do governador não é verdadeiro.

Segundo o governo do Paraná, o reajuste de 4,94% que os servidores pedem implicaria em R$ 1 bilhão a menos para o Estado a cada ano. Porém, o mesmo governo não deixa claro para a população que as renúncias fiscais (que consistem em “aliviar” os impostos para os grandes empresários) vão gerar um rombo de cerca de R$ 34 bilhões para os cofres públicos até o ano de 2022.

Ou seja, para ajudar os grandes empresários o Estado pode perder até R$ 34 bi, mas, para pagar os direitos dos servidores, o mesmo Estado não pode investir nem R$ 1 bi ao ano. Para se ter uma ideia da gravidade da situação dos trabalhadores que estão com o salário congelado há quase quatro anos, a defasagem salarial já chega a 17%.

Para piorar, o governador também utiliza a mesma estratégia do governo federal para colocar o povo paranaense contra o funcionalismo público. Em entrevista ao Paraná Portal na última terça-feira (25), Ratinho Jr. deu a seguinte declaração: “Podemos até pensar em reajuste, mas seria necessário aumentar impostos. E precisamos perguntar para a sociedade se quer aumento de imposto para dar reajuste para servidor”.

Em um país afundado numa crise política, econômica e social, quem seria capaz de pedir por mais impostos? A resposta é óbvia e é dessa forma que Ratinho Jr. tenta jogar a população contra os servidores.

Não queremos que a sociedade pague ainda mais impostos. Queremos que o governador pare com seus discursos demagógicos, pare de dar calote, pague a reposição da inflação e cobre de quem precisa ser cobrado: os grandes empresários que lucram às custas do suor do povo e não dão retorno algum à população.

É GREVE PORQUE É GRAVE!

TODO APOIO À GREVE DOS SERVIDORES DO ESTADO!