orientações Unimed

orientações UnimedNo dia 26 de setembro, quinta-feira, a direção sindical do SISMMAR se reuniu com o grupo de beneficiários da Unimed cujos nomes constam no contrato coletivo por adesão.

A empresa de plano de saúde rompeu de forma unilateral e imotivada o contrato com o sindicato e a reunião serviu para os esclarecimentos quanto a esse fato. Até o dia 31 de outubro, os beneficiários poderão acessar o atendimento pela Unimed e a partir de 1 de novembro estarão descobertos.

A atitude da empresa é típica do sistema capitalista, em que tudo é mercadoria, incluindo nossas vida e saúde. A Agência Nacional de Saúde (ANS), órgão que regula os contratos, não fixa nenhum limite para os reajustes de contratos coletivos: ou seja, quanto mais adoecemos, mais cara fica a mensalidade. Isso significa que caso a opção seja ingressar com uma ação judicial solicitando a continuidade do contrato, não há defesas legais contra os aumentos “abusivos” da prestadora de serviço.

Além disso, foi apresentada a proposta da Unimed de migração do plano coletivo para o plano individual. Como os valores podem ser inferiores ou superiores ao atual, dependendo de cada caso, orientamos que analisem com bastante cautela e, posteriormente, tomem decisão entre:

1)         Migrar para Unimed/outro plano de saúde de forma individual;

2)         Solicitar um novo contrato entre plano de saúde e SISMMAR.

Após escolher, solicitamos que liguem no sindicato (3642-1280) para informar a decisão. Com base nisso, definiremos os próximos passos. A decisão do grupo é soberana e, caso a opção 2 seja a mais escolhida, será preciso aprovar em assembleia.

Alertamos para o fato de que, independente do plano de saúde, qualquer contrato coletivo não é protegido contra os aumentos absurdos praticados. Politicamente, o SISMMAR defende a saúde como direito, não como mercadoria.