Servidores municipais receberam recentemente em suas contas do whatsapp uma extensa Carta à População. O spam defende a administração municipal e ataca a mobilização da categoria e os sindicatos.

A nota deixou indignados os servidores, tanto pelo seu conteúdo quanto pela forma como receberam.

Os cadastros dos servidores podem ter sido violados, ao ser entregue a relação dos telefones com whatsapp para empresa de spam. São informações privadas que precisam ser respeitadas.

O uso do brasão do Município de Araucária indica que o serviço tenha sido contratado pela Prefeitura Municipal. A empresa de spams deve ser sediada em São Paulo. Ou ao menos utiliza números de telefones com DDD da cidade de São Paulo.

Diante dos indícios de irregularidade, a direção do Sismmar irá tomar as providências cabíveis, tanto do ponto de vista legal, quanto do político.

O spam traz mentiras e tenta confundir as pessoas desavisadas sobre a realidade do serviço municipal e dos servidores.

“O funcionalismo de Araucária conta hoje com a segurança da manutenção de seus direitos, graças a criação do PCCV”, diz a carta à população. É provocação a afirmação, uma vez que há três anos não ocorre qualquer avanço na carreira.

O spam também informa que ”foram cortados 20% do número de cargos comissionados”. Foi pouco. Se cortasse mais, teria folga orçamentária para atender aos trabalhadores que realmente mantêm funcionando o serviço público.

A instituição sindical é atacada na carta, configurando-se em atitude antissindical. Isto será denunciado. A representação dos trabalhadores é acusada de achaque, revanchismo político, etc.

Há frases empoladas como discursos vazios, iguais a esta em que acusa os sindicatos de “agressiva campanha ‘política’, com claras intenções de manobras desleais, se agarrando em fatos fantasiosos, com único objetivo de ludibriar servidores e a população de forma geral”. Falou bonito, mas não disse nada.

Em outro ponto, o spam diz que sindicalistas “aguerridos em ideais do século passado (…) colocam a população de Araucária na berlinda, a mercê de militantes de uma causa política sindical e não popular”. 

Como resposta, dizemos que não é ideal do novo século se resignar diante de ataque aos próprios direitos. E a nossa causa é sindical, sim. Pois os sindicatos são feitos pelos servidores do magistério e das demais categorias do serviço público. É por ser uma causa dos trabalhadores, é também popular.

O que se lamenta é que a categoria precisa de resposta concreta e direta às suas reivindicações e não é este o objetivo do spam.