A saúde pública está sob forte ameaça. O governador Beto Richa (PSDB) enviou à Assembleia Legislativa um projeto de lei que amplia a privatização da saúde.

A proposta é criar a Fundação de Saúde. Assim, o governador retira da Secretaria Estadual de Saúde a função de executar ações de saúde e reduz sua missão a gerenciar contratos.

O projeto de lei 726/2013 chegou a entrar na pauta de votação da Assembleia Legislativa, na tarde de segunda-feira, 16 de dezembro. Foi retirado devido à pressão dos servidores, mas deve voltar à discussão em 2014.

O projeto não beneficia a população, nem os servidores da saúde. Se for aprovado, quem vai ganhar serão apenas os empresários. Eles receberão recursos públicos e serão responsáveis pela gestão desses recursos. Todos sabem que empresários buscam lucro, nunca o bem estar da população.

A saúde não pode ser encarada como uma mercadoria. A população precisa de saúde pública de qualidade. Ao entregar os serviços públicos para o setor privado, os governos vão destruindo o SUS – Sistema Único de Saúde.

A falta de investimento no SUS obriga muita gente a apelar para caríssimos planos de saúde, que muitas vezes não contempla os clientes quando eles precisam dos serviços.

A privatização dos serviços públicos levada adiante pelo governador está estruturada em dois projetos de lei. O PL 726/2013 institui a Fundação Estatal de Atenção a Saúde do Estado do Paraná (Funeas-Paraná), enquanto o PLC 22/2013 regulamenta as Fundações nas áreas de Cultura, Turismo, Desporto, Comunicação Social, Assistência Social e Ciência e Tecnologia.

Petição pública

O SindSaúde-PR, sindicato que representa os trabalhadores da saúde estadual, está realizando uma campanha contra a votação destes projetos de lei. Dê o seu apoio. Clique aqui e assine a petição pública on-line em defesa da saúde pública de qualidade. 

Com informações e imagens do SindSaúde-PR