A reunião foi marcada para discutir a relação da administração municipal com o funcionalismo. A coordenadora geral do Sismmar Giovana Piletti falou dos esforços para buscar diálogo e fazer avançar a negociação, mas que não tem tido retorno por parte do prefeito.

Ela pediu o apoio das autoridades presentes em favor da construção de um acordo que satisfaça a categoria.

A dirigente também informou sobre a assembleia conjunta que será realizada na sexta-feira, 13, às 17 horas, na Praça da Bíblia, em frente à Câmara Municipal, que pode decidir sobre a greve da categoria, que tem data indicada para 16 de julho, após o recesso.

Promoção
Os vereadores reiteraram que farão consulta ao Tribunal de Contas sobre as promoções verticais da Docência I, ficando acertada uma conversa entre as assessorias jurídicas da Câmara e do Sismmar definir os termos do documento.

Cmeis
Outro tema que tomou bastante tempo na reunião foi sobre a decisão do prefeito de desrespeitar o calendário dos Cmeis. A dirigente do Sifar Maria Luiza Souza relatou sobre todo o trabalho do Conselho Municipal de Educação, do qual a Smed faz parte, para unificar os calendários das escolas e Cmeis. A decisão tem como base pareceres dos Conselhos Nacional e Estadual de Educação.

A principal consequência desta medida intempestiva do prefeito foi colocar pais e mãe contra atendentes.