Esta sexta-feira, 13, foi o Dia do Branco. Servidores municipais de Araucária vestiram roupas brancas e mais uma vez levaram às ruas o seu protesto contra o descaso do prefeito.

Foi mais um dia de expectativa para saber se Olizandro apresentaria uma proposta decente de negociação. Em vão.

O prefeito, que diz não ter dinheiro para cumprir com suas obrigações com o funcionalismo; não ter dinheiro para atender às carências mais básicas de unidades de saúde, de escolas e Cmeis, arranjou dinheiro. Mas foi para pagar caros espaços na mídia com o objetivo de combater o movimento paredista.

Até um serviço de telemarketing foi contratado para telefonar para as casas reproduzindo gravação com a propaganda do prefeito contra a greve.

Ele tem também o seu lado o batalhão de choque, com destaque para apoiadores na mídia chapa-branca e em perfis falsos (fakes) no Facebook, que tentam desqualificar a greve como se o objetivo fosse eleitoreiro.

Mensagens que afluem desse núcleo subestimam a capacidade dos trabalhadores de tomarem decisão por si. Não consideram que, depois das jornadas de junho, a brasileira e o brasileiro já não mais aceitam desculpa esfarrapada de qualquer autoridade (de vereador a presidente) para deixar de cumprir suas obrigações. Sairá ganhando quem souber ouvir as vozes das ruas.

Seria previsível que adversários de Olizandro tentassem tirar proveito da situação. Mas este deveria ser mais um motivo para o prefeito chamar à negociação séria e encaminhar um acordo. Ao contrário, o prefeito tensiona. Parece querer vencer a qualquer custo. Mal sabe ele que uma eventual derrota do movimento dos servidores será uma derrota política sua.

Enquanto isto, a greve continua com imensa adesão. E também tem o apoio da população, que reconhece na mobilização aquela atendente que cuida do seu filho, a professora da escola do bairro, o guarda que lhe dá segurança. É gente igual, uma a outra, que enfrenta todos os dias os mesmos problemas na prestação e no recebimento do serviço público. Infelizmente, sem as condições adequadas para ser de qualidade.