A corregência para todas as turmas de 2º ano foi uma conquista da rede pública a partir de 2008, para implantar o ensino de 9 anos. Atualmente são aproximadamente 90 corregentes nas escolas do município.

A previsão da corregência está descrita no parecer que estabelece as normas para o Ensino Fundamental de Araucária que, até agora, não foi revogado pelo Conselho Municipal de Educação. Enquanto não for modificado, é direito dos estudantes do 2º ano terem pelo menos uma professora com esta função na turma, além da regente.

A ideia dessa extinção não vem fundamentada em dados concretos ou em uma nova proposta de acompanhamento de aprendizagem. Segundo levantamento feito pelo sindicato, não há uma política de reforço em contraturno para alunos com dificuldade de aprendizagem, ou de adequação idade-série para estudantes com várias reprovações e que não apresentam necessidades especiais.

A promessa é que, com a retirada das corregências, sejam concedidas licenças-prêmio e ampliada a hora-atividade para 1/3 da jornada. Mas o objetivo pode ser apenas reduzir custos com substituição, pois a conta não fecha. Para implementar os 33% de hora-atividade são necessários cerca de 170 novos profissionais.

A secretária da Educação Janete Schionteck vem sendo muito criticada pela truculência com que trata os problemas da educação, que não são poucos. Com isso, cumpre um papel importante para a gestão Olizandro, que atua no sentido de retirar direitos e precarizar a educação pública com a economia a qualquer custo. Afastando o debate fraterno e democrático, Janete reafirma as chamadas “medidas impopulares” adotadas pela gestão municipal.

Imagem meramente ilustrativa, retirada da internet