O SISMUC, SISMMAC, SIFAR e SISMMAR manifestam publicamente o apoio à greve dos trabalhadores e trabalhadoras da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR).

É com muita resistência que, nesta sexta-feira (7), os trabalhadores completaram 18 dias de greve contra o fechamento da Fafen e contra a demissão dos mais de mil trabalhadores e trabalhadoras que estão no chão de fábrica da Petrobrás.

No começo desse ano, a direção da empresa comunicou, sem nenhum tipo de negociação com trabalhadores, a sua decisão de demitir os mais de mil funcionários. Além disso, o fechamento da Fafen-PR tem impacto econômico direto no município de Araucária.

É com truculência e sem diálogo que os patrões mostram mais uma vez que seu único objetivo é a lucratividade. Além de submeter os trabalhadores à demissão, a fábrica foi considerada insalubre, pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), com grande vazamento de amônia. A irresponsabilidade dos gestores para acelerar a paralisação da fábrica deixou em risco a vida de milhares de trabalhadores.

As demissões englobam desde funcionários de carreira na Petrobrás até os terceirizados e as terceirizadas. Embora os patrões tentem dividir as categorias, sua união fez a luta crescer e se tornar nacional, com paralisações em diversas unidades da Petrobrás e um apoio crescente da classe trabalhadora.

Os ataques aos trabalhadores fazem parte do avanço no plano de privatização da Petrobrás. Já está em andamento o processo de venda de outras oito refinarias da empresa, sendo duas delas no Paraná: Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, e a Industrialização do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul.

A empresa tem grande importância em manter a segurança energética no país, por isso, entregar esse bem para a iniciativa privada pode elevar o preço dos combustíveis e derivados para a população. Além disso, a privatização de empresas estatais tem causado demissões massivas há anos, aumentando o desemprego e trazendo retrocesso para áreas importantes da tecnologia brasileira.

O desmonte da Petrobrás tem a ver com todos nós! É ajudando na luta dos petroleiros que mostramos nossa indignação e dizemos não ao desmonte da Petrobrás. Diante das demissões e retiradas de direitos gravíssimas que os trabalhadores e suas famílias têm enfrentado, somente a união da nossa classe como um todo pode garantir que os petroleiros se mantenham firmes na luta pelos seus direitos.

Viva a luta dos petroleiros e petroleiras do Paraná, todo apoio a sua luta!