No dia 30 de junho será realizada nova GREVE GERAL contra as reformas trabalhista e da Previdência. 

Os professores e os demais servidores municipais vão aderir ao protesto, por decisão tomada na assembleia do dia 20.

Haverá concentração na frente da Prefeitura desde o início da manhã. A primeira atividade programada é uma caminhada até o INSS, para manifestar repúdio à Reforma da Previdência, retornando ao Paço Municipal. 

Ao meio dia haverá um marmitaço pelo reajuste do vale-alimentação e pelo retorno do abono dos aposentados.

À tarde haverá debate sobre as reformas e o impacto da Previdência nas carreiras.

Às 15 horas será realizada assembleia unificada dos servidores.

Em acordo com a administração municipal, ao dia de paralisação será dado o mesmo tratamento da GREVE GERAL de abril. 

A mobilização nacional vem crescendo desde 15 de março, quando os servidores públicos foram às ruas. A greve geral de 28 de abril foi grande sucesso.

A Marcha a Brasília em 24 de maio mostrou a força dos trabalhadores, quando seguia pacífica e foi duramente reprimida pela Polícia Militar. Havia provocadores agindo contra a polícia e prédios, mas eles foram só motivos para uma ação desproporcional contra manifestantes pacíficos.

A meta da elite econômica é intimidar a nós, trabalhadores, e espoliar nossos direitos. Vai ser nossa obrigação resistir e lutar.

Já está evidente que o golpe foi promovido para realizar um saque contra os direitos e a vida dos trabalhadores e contra as riquezas do povo brasileiro.

Precisamos derrotar a ideologia neoliberal para conquistar serviço público de qualidade e termos servidor público valorizado. O Estado Mínimo não comporta investimento social.

Enquanto estiver em vigor a Emenda Constitucional 95, prefeitos, governadores e presidentes vão ser encorajados a destruir direitos, carreiras e achatar os salários. Também a terceirizar serviços.

Nossa resistência vai ter que ser organizada e firme!