docência II

docência II

Direção sindical se posicionou contrária à decisão da Câmara e também usou da fala para manifestar seu repúdio aos ataques de Rafael Greca e vereadores a professores de Curitiba

Nesta terça-feira (19), na Câmara Municipal de Araucária, ocorreu a segunda votação do projeto de lei 2279/2019, que trata das atribuições de cargo dos professores municipais de 6º ao 9º ano. Contrariando as negociações com a representação dos professores e professoras, os vereadores, a pedido da Secretaria Municipal de Educação (SMED), colocaram o cargo da Docência II em extinção.

Antes da votação, a direção do SISMMAR fez uma fala deixando claro que esperava que os vereadores não colocassem o cargo em extinção, uma vez que isso poderá trazer prejuízos à carreira dos servidores e não havia nada que realmente justificasse a necessidade de colocar o cargo em extinção.

E antes mesmo disso, a direção sindical também já havia se reunido com os vereadores, por mais de uma vez. Na última reunião, houve o entendimento em derrubar o artigo que trata da extinção no projeto de lei. Porém, a postura na sessão de hoje na Câmara foi completamente diferente e, mesmo contra a vontade dos servidores do magistério, o PL foi aprovado em segunda votação por unanimidade.

Nenhum dos vereadores de Araucária se posicionou ao lado dos professores do município. A justificativa foi que a SMED alegou à Câmara de Vereadores que o projeto de lei poderia não caminhar caso o cargo dos professores de 6º ao 9º não fosse colocado em extinção. Acontece que essa justificativa da mantenedora não procede, uma vez que a extinção não era necessária para a legalidade do PL. Inclusive, na reunião anterior, a direção entregou aos vereadores parecer jurídico que refutava essa afirmação.

Ainda com relação ao projeto de lei, outro ponto que os professores não estavam de acordo era sobre o artigo que versava sobre o assessoramento pedagógico. Mas, na negociação com os vereadores e SMED, a direção do SISMMAR conseguiu uma alteração no ponto. Assim, embora o termo tenha sido mantido, não causa danos à carreira da Docência II. Descarta também a hipótese de desvio de função e entendimento de que estes professores exerçam funções que cabem a professores pedagogos.

Repúdio aos ataques de Greca

Em tempo, durante sua fala na Câmara Municipal, a Coordenadora de Comunicação do SISMMAR, Alice Unicki, repudiou o antiprefeito Rafael Greca e sua base aliada na Câmara, que aprovaram ontem (18) o congelamento por mais cinco anos da carreira dos professores municipais, além de extinguir o cargo de Educadores Sociais e diminuir o número de liberados nos sindicatos do funcionalismo público municipal.

Os vereadores, tanto de Curitiba quanto de Araucária, deixam cada vez mais claro que não se importam com a educação pública de qualidade e muito menos com o plano de carreira dos servidores municipais. Ocupam o cargo que ocupam apenas pela manutenção de seus próprios interesses.

Vergonha!